0 / 0

EMRC e Catequese

É assumido, hoje, que a relação entre a Catequese e a EMRC é de distinção na complementaridade: "Há um nexo indestrutível e, simultaneamente, uma clara distinção entre o Ensino Religioso e a Catequese" (Directório Geral da Catequese, nº 73, SNEC).

Importa distinguir a Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) da Catequese porque tem existido, a vários níveis, bastante confusão entre estes dois âmbitos que, como afirma o Directório Geral da Catequese, nº 73, «são distintos e complementares». As suas finalidades são distintas, ainda que ambos os campos de acção não sejam alheios e estejam necessariamente inter-relacionados, são duas formas distintas e complementares do ministério da Palavra.

A fé vivida numa comunidade, com um crescente processo de amadurecimento, não se pode alhear do processo educativo. Quando um cristão ingressa na escola não pode ou não deve deixar à porta os princípios que regem a sua vida. É por isso, um desafio às comunidades católicas da nossa Igreja Diocesana a uma maior atenção a esta dimensão peculiar do ministério da Palavra, onde os alunos católicos devem participar activamente sendo testemunhas da sua fé.

A abordagem a esta reflexão fá-la-emos segundo o princípio da complementaridade e da distinção:

COMPLEMENTARIDADE

Estes dois lugares de educação cristã assumem-se como portadores de uma "boa notícia" transformadora e libertadora seja para o agir pessoal, seja para a acção social e comunitária. São, assim, duas formas de Evangelização: "levar a Boa Nova a todas as parcelas da humanidade (...) e pelo seu influxo transformá-las a partir de dentro e tornar nova a própria humanidade..." ( Evangelii Nuntiandi , nº 18). Apesar das dificuldades este anúncio, na escola e na comunidade eclesial, está a ser, entre outros, a presença amiga e libertadora de um Deus que ama e salva e estimula os educandos assumirem na vida, o compromisso que a sociedade e a Igreja lhes pedem no serviço aos outros.

Catequese e EMRC são duas acções da Igreja e em Igreja que como "mãe e mestra" propõe, oferece e possibilita a salvação, dom de Deus, objectivada em sinais, Palavra e gestos proféticos.

A Bíblia é para estes dois espaços educativos uma referência interpelativa e provocadora de uma nova maneira de ser e de agir. Catequese e EMRC oferecem a proposta e a Pessoa de Jesus Cristo que, tornando-se próximo, introduz na existência da humanidade uma semente de ousadia na verdade, de radicalidade na justiça.

Catequese e EMRC assumem-se como uma educação de transformação a nível pessoal e a nível comunitário, social. Apresentam proposta(s) de mudança suscitando no educando atitudes de autenticidade, coerência, respeito mútuo e de solidariedade.

A Catequese e a EMRC são uma ajuda significativa na construção, por parte das crianças e dos jovens, de uma consciência livre, madura e responsável estruturando-os na verdade, no amor e na capacidade racional perante si, perante os outros e perante Deus.

Esta educação em Igreja leva-nos a ser agentes educativos/ evangelizadores competentes, autênticos e alegres na certeza que "o mundo que deixamos às nossas crianças depende em grande parte das crianças que deixarmos ao nosso mundo" (MAYOR, F. Professores e ensino num mundo em mudança , ASA, Porto, 1998, p. 5).

DISTINÇÃO

Os programas e as finalidades da EMRC são bem distintos da Catequese. Trata-se da abordagem crítica e sistemática dos valores que integram a construção da pessoa e da sua participação plena na sociedade, em ordem a uma cidadania plena. Não é o local de iniciação aos ritos litúrgicos ou experiências espirituais comunitárias. Na Escola, a EMRC ensina a ser crítico em relação às experiências que cada um pode fazer consoante a sua integração ética e religiosa na sociedade. A Catequese é o ensino específico daqueles que, numa comunidade local, querem celebrar e aprofundar uma relação com Deus. Cada uma delas tem um método, conteúdos e finalidades distintas, que não se podem substituir na formação das crianças e jovens.

Apresentamos, seguidamente, um quadro comparativo entre a EMRC e a Catequese de modo a facilitar a compreensão (cfr. LÓPEZ, 1989: 27ss), no que concerne aos seguintes aspectos:

 

 

CATEQUESE

EMRC

Origem

Ministério ecclesial da palavra:

Diálogo no interior da comunidade crente.

Ministério ecclesial da Palavra:

Relação entre a Igreja e a instituição escolar.

Pedido dos Pais e Encarregados de Educação

Lugar sociológico

Comunidade cristã - a Igreja, comunidade de crentes, com autêntica liberdade de organização e funcionamento.

A Catequese acontece no interior de uma comunidade cristã onde os crentes formam uma família unida pela mesma fé em Jesus Cristo;

Escola - a Escola com as suas especificidades que implicam uma adaptação aos objectivos e métodos escolares

A EMRC acontece numa escola onde alunos, professores e funcionários, em grupos mais ou menos alargados, estabelecem relações de índole pedagógica, curricular e académica.

Destinatários

Crentes - Cristão de qualquer idade que inicia ou aprofunda a sua fé no seio de uma comunidade ecclesial;

O "autor e actor" do processo educativo é a criança, jovem ou adulto, crente ou que se encontra numa dinâmica de adesão à fé cristã.

Alunos em idade escolar que incorporam o fenómeno religioso na formação humana (crentes na confissão religiosa em que se está a leccionar, crentes em outras confissões religiosas e não crentes);

Os destinatários são os alunos (crentes ou não crentes). A fé não é um pré-requisito para que o aluno se envolva na dinâmica da aula de EMRC.

Quem lecciona

Catequista

Professor

Objectivos
ou Finalidades

Levar o catequizando a estabelecer uma relação de fé com Deus e aprofundar essa relação;

Levar o cat. a relacionar-se com as mediações religiosas (culto, Bíblia, doutrina...) como lugar de manifestação do divino;

Levar o cat. a aprender a relacionar-se com a divindade através das mediações;

Levar o cat. a formar a sua identidade cristã;

Levar o catequizando a ser portador da vida da comunidade cristã;

Amadurecimento da fé no âmbito pessoal e comunitário

Aprofundar e celebrar a fé, mediante a participação activa e progressiva na vida da comunidade ecclesial;

Procura, num processo de encontro entre a fé e a vida, que o educando, guiado pela Palavra de Deus, viva em comunhão com Deus e com os irmãos;

Faz referência directa à profissão de fé no âmbito da comunidade cristã;

Exprime-se no âmbito da liturgia, procurando a integração da fé no íntimo da pessoa;

Implica o testemunho, é vivencial.

Levar o aluno a saber como se configura a Transcendência na perspectiva judaico-cristã;

Levar o aluno a reconhecer as mediações como factores culturais que exprimem a experiência religiosa dos crentes;

Levar os alunos a formar a sua individualidade pessoal;

Levar os alunos a uma perfeita integração social;

Conseguir o diálogo interdisciplinar entre o Evangelho e a cultura favorecendo a maturidade crítica do aluno;

Possibilitar aos alunos uma "visão cristã" sobre a vida, sobre o mundo e sobre as questões fundamentais do existir humano.

Proporcionar uma reflexão sistemática sobre a experiência religiosa cristã;

Promover o diálogo fé-cultura ajudando o aluno, através da descoberta da identidade e da interiorização de valores e atitudes, a uma plena integração (e síntese) nas realidades sociais de que faz parte;

Apresenta a Mensagem Cristã;

Pretende o amadurecimento pessoal e social do aluno;

Fundamenta a religião em conceitos racionais

Conteúdo

A realidade sobrenatural como se mostra através das mediações religiosas;

Trabalham-se, aprendem-se e transmitem-se, a partir da experiência religiosa inculturada;

O objecto da Catequese encontra-se na Bíblia, Palavra de Deus, na tradição da Igreja e no Credo;

Possibilitar um acurado conhecimento da Bíblia e das "verdades da fé" e introduzir o educando na beleza da(s) celebração(ões) da fé e da vida é o grande desafio programático da Catequese;

Aprender a "adorar Deus em espírito e verdade". A oração permite ao crente reconhecer em Deus a fonte genuína da própria existência e viver com Ele uma comunhão filial que o conduz a uma comunhão fraterna. É através da oração, pessoal e comunitária, que o baptizado oferece a Deus a própria vida, o trabalho, as alegrias e as tristezas. Orando e celebrando a vida, morte e ressurreição de Jesus, o educando da Catequese deixa-se guiar pelo Espírito Santo e deixa-se seduzir por Cristo, caminho, verdade e vida.

As mediações enquanto construções culturais que reflectem a experiência religiosa de alguém;

Os conteúdos da EMRC situam-se dentro de um processo escolar e como tal a sua sistematização faz-se a partir da visão ética e cultural;

As grandes experiências pessoais, familiares e sociais;

O fenómeno religioso nas suas diversas expressões e manifestações;

A especificidade do cristianismo e da Igreja católica;

Os valores que dão sentido à vida e o "confronto" com a mensagem cristã, são o grande objecto da EMRC.

Proporcionar uma (re) leitura cristã das experiências significativas do viver humano, a EMRC procura ser portadora de sentido ajudando no discernimento por opções livres e responsáveis.

Método

Processos de relação com a divindade;

Participação religiosa na fé, no culto e na acção moral.

Empatia cultural com as mediações

Hermenêutico

Cognitivo-desenvolvimentista

Abordagem bíblica

A Bíblia é "Palavra de Deus" que interpela os catequizandos a determinadas atitudes;

Que atitudes devem os catequizandos assumir?

Texto que os crentes consideram ser a "Palavra de Deus";

Testemunho dos crentes que se sentiram interpelados pelo texto;

Modelos de resposta dos crentes à interpelação vivenciada.

Abordagem litúrgica

Os catequizandos aprendem não só o que é a liturgia, mas vivem-na participando em celebrações, rezando...

O significado das experiências litúrgicas dos crentes.

Abordagem moral

Os catequizandos aprendem a adequar a sua acção moral ao juízo moral que surge dos critérios e normas de conduta cristãs;

Dão-se a conhecer os critérios e normas e procura-se que os interiorizem;

Compromisso prático.

Dão-se a conhecer os critérios e normas por que se regem os cristãos e a experiência cristã resultante da sua aplicação;

Compara-se o significado da experiência cristã com os valores vigentes na sociedade;

Ensina-se o aluno a formar o juízo moral a partir de critérios cristãos;

Compara-se o resultado obtido com este juízo e o resultado da aplicação de outros critérios e normas.

Abordagem doutrinal

A doutrina deve corresponder à experiência religiosa e cristã do catequizando;

Aceitação das doutrinas como expressão da fé da sua comunidade;

O cat. deve usar a doutrina para expressar as suas experiência religiosas.

Apresentação da doutrina para que seja compreendida, recorrendo ao contexto histórico em que surgiu;

O aluno deve saber expressar a doutrina em novos termos que correspondam à cultura e linguagem actuais.

Pedagogia

Centrada em pressupostos teológicos:

  • Objectivos (ex.: suscitar a admiração pela grandeza de Deus);
  • Conteúdos (aquilo em que se deve acreditar);
  • Agentes: comunidade cristã (o catequista é o seu delegado);
  • Meios: participação litúrgica, compromisso moral...

Centrada nas Ciências da Educação:

  • Objectivos (ex.: compreender o texto bíblico da criação) e competências;
  • Conteúdos (relevantes culturalmente);
  • Agentes: a sociedade (o professor é encarregado pela sociedade);
  • Meios: regulados pela Didáctica.



Newsletter Educris

Receba as nossas novidades