EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Papa Francisco desafia professores a estar presentes nas periferias

Num encontro ocorrido ontem na Sala Paulo VI no Vaticano, o Papa Francisco recebeu a Associação Católica italiana de professores, dirigentes, educadores e formadores (UCIIM)

Na ocasião o Papa  convidou os docentes a "comprometer-se nas periferias da escola, que não podem ser abandonadas à marginalização, à ignorância, à delinquência" e alertou "para a desvalorização" que socialmente "se vai atribuindo a esta função" e para o "pecado que é pagarem-vos mal".

No Encontro o Papa disse estar "em comunhão convosco" e sentir-se "colega" uma vez que "recordo com carinho os meus tempos de professor". Para Francisco "numa sociedade que tem dificuldade de encontrar pontos de referência, é necessário que os jovens tenham na escola uma referência positiva"- Esta referência torna-se mais clara "se no interior  da escola estiverem professores capazes de dar um sentido à escola, ao estudo e à cultura, sem reduzir tudo unicamente à transmissão de conhecimentos técnicos mas tendo por objectivo construir uma relação educativa com cada estudante, que deve sentir-se acolhido e amado por aquilo que é, com todos os seus limites e capacidades", apontou

Assim o Papa lembrou aos professores "que a vossa tarefa é necessária como nunca. E vós deveis ensinar não só os conteúdos de uma matéria, mas também os valores e costumes da vida".

No final fez questão de lembrar aos docentes as ideias principais como se de uma síntese de aula se tratasse: "Três coisas que deveis transmitir. Para aprender os conteúdos é suficiente o computador, mas para compreender como se ama, para compreender quais são os valores e os costumes que criam harmonia na sociedade é necessário um bom professor".

Toda a intervenção do Papa

Caros colegas e colegas de trabalho,

Deixem-me chamar-vos assim, visto que eu também estive a ensinar como vós e guardo belas recordações do tempo passado em aula com os alunos. Saúdo cordialmente e agradeço ao presidente da Associação as suas amáveis ??palavras.

Ensinar é um belissimo trabalho. Pena é que os professores sejam mal remunerados. Porque não é só o tempo que passam a "fazer escola", a preparação das aulas, o dever de pensar em todos e em cada aluno: como ajudá-los a seguir em frente. É verdade? É uma injustiça. Acho que do meu país, que é o que eu sei: os pobres, para terem um salário mais ou menos digno tem que ter dois trabalhos! Mas ocmo termina um professore depois de um dia de trabalho?  É um trabalho mal pago, no entanto belíssimo, porque permite ver crescer, dia a dia, a pessoa humana que nos está confiada. É um pouco como ser pais, pelo menos espiritualmente. è também ela uma grande responsabilidade!

Ensinar é um compromisso sério que só uma personalidade madura e equilibrada pode aceitar. Tal compromisso pode ser intimidante, mas lembrem-se de que nenhum professor está sozinho: compartilhar sempre o trabalho com os outros colegas e com toda a comunidade educativa a que se pertence. 

A vossa Associação completou  70 anos: é uma idade bonita! É justo comemorar, mas é também momento de começar a fazer um balanço sobre de uma vida!

Quando nasceram, em 1944, a Itália ainda estava em guerra. Desde então, já se percorreu muito caminho! A escola já percorreu um longo caminho. E a escola italiana avançou com a ajuda da vossa Associação, que foi fundada pelo professor Nosengo Gesualdo, um professor de religião que sentia a necessidade de recolher professores do ensino secundário da época, que se identificou com a fé católica, e que com esta inspiração trabalhou na escola.

Em todos esses anos ajudaram a crescer o país, ajudaram a reformar a escola, e contribuíram especialmente para educar as diversas gerações de jovens.

Em 70 anos a Itália mudou, a escola mudou, mas encontram-se sempre professores que desejam participar na profissão com entusiasmo e da vontade que procede da fé que o Senhor dá.

Como Jesus nos ensinou, toda a Lei e os profetas se resumem a dois mandamentos: amar o Senhor teu Deus e amar o próximo (cf. Mt 22,34-40). Podemos perguntar: quem está ao lado de um professor? O "próximo" são os  alunos! É com eles que passa os seus dias. São eles que esperam pela sua  orientação, uma direção, uma resposta - e primeiramente - boas perguntas!

Não pode perder uma das tarefas da UCIIM para esclarecer e motivar uma ideia justa da escola, às vezes ofuscada por discussões e posições reducionistas. A escola tem feito uma educação válida e qualificada, mas também das relações humanas, o que para nós são os relatos de boas-vindas, a benevolência, a dar a toda a gente. Com efeito, o dever de um bom professor - ainda mais para um professor cristão - é amar com mais intensidade os seus alunos mais difíceis, mais fraco,s mais desfavorecidos. Jesus diria, se amas somente aqueles que estudam, que são bem educados, que recompensa tens? E há alguns que estão a perder a paciência, mas há que amá-los mais! Qualquer professor está bem com esses alunos. Peço-vos que ameis mais os alunos mais dificeis, quem não quer estudar, aqueles que se encontram em condições difíceis, as pessoas com deficiência, estrangeiros, que são agora um grande desafio para a escola.

Se a associação profissional de professores cristãos quer testemunhar a sua inspiração, é chamada a participar nos subúrbios da escola, que não podem ser abandonados à exclusão, a ignorância, o crime. Numa sociedade que se esforça para encontrar pontos de referência, é necessário que os jovens encontrem na escola uma referência positiva. Esta pode ser ou tornar-se referência se no seu interior existirem professores capazes de dar sentido à escola, para estudar e dar cultura, sem reduzir tudo apenas a uma transmissão de conhecimento técnico, mas com o objetivo de construir uma relação educativa com cada aluno, que deve sentir-se acolhido e amado por aquilo que ele é, com todas as suas limitações e todas as suas potencialidades. Nesse sentido a vossa tarefa é mais necessária do que nunca. E vós deveis ensinar não só os conteúdos de uma matéria, mas também os valores e costumes da vida. Para aprender os conteúdos é suficiente o computador, mas para compreender como se ama, para compreender quais são os valores e os costumes que criam harmonia na sociedade é necessário um bom professor.

A comunidade cristã tem muitos exemplos de grandes educadores que se dedicam a resolver as insuficiências da educação ou de criação de escola. Encontramos, entre outros, São João Bosco, que este ano marca o bicentenário do nascimento. E ele aconselhou aos seus sacerdotes: educar com amor. A primeira atitude de um educador é o amor. É com estes números que vocês, educaores cristãos, podeis usar para animar a partir de dentro uma escola, independentemente do seu estado, da sua administração ou do próprio Estado. Este precisa de educadores e testemunhas credíveis de uma humanidade madura e completa. Testemunho. E isso não pode ser comprado ou vendido: É oferecido.


Encorajo-vos a renovar a vossa paixão pelo homem - não se pode ensinar sem paixão! - no seu processo de formação, e ser testemunhas da vida e da esperança. Nunca, jamais, fechar uma porta, destruir tudo, porque os alunos têm esperança.

Peço também que rezem or mim, e eu convido-vos a rezar a Nossa Senhora pedindo a sua benção.

Papa Francisco

14.03.2015




© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |