0 / 0

Educação: «O mais importante é fazermos os alunos protagonistas», Ana Mendes

Professora de EMRC é uma das finalistas do Global Teacher Prize que hoje é entregue, pela 3ª vez, no nosso país

Tem 26 anos de serviço contados “a partir do nascimento do meu filho. Fez-se professora “porque cresci com exemplos de grandes professores que me ajudaram a se o que sou” e que “nos faziam sentir à-vontade nas aprendizagens”.

Ana Mendes, professora de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) é um dos 6 finalistas do prémio Global Teacher Prize 2020.

“Fiz-me professora de EMRC porque tive, na primária, uma professora que queria mesmo que nos sentíssemos bem e que permitia que cada um se expressasse. Mais tarde, já no secundário, cruzei-me com outra professora extraordinária na disciplina de EMRC que me marcou muito”, explicou, esta manhã, ao EDUCRIS.

Encara a sua profissão com “uma missão” que passa por “ajudar os alunos a refletir sobre o mundo que os rodeia” sempre com o “dado ético-moral com pano de fundo” porque acredita ser esse o modo de ajudar a crescer “cidadãos mais comprometidos com a sociedade e mais fraternos”.

A lecionar o no agrupamento Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão, a docente de EMRC desenvolveu um projeto de Educação Ambiental que foi crescendo ao longo dos últimos anos.

“Estava na escola e fui-me fazendo próxima das necessidades da comunidade educativa. A Educação ambiental surgiu através do projeto Eco-Escola numa altura em que a própria autarquia permitiu muita formação na área da agricultura biológica, cultura do linho ou a poda”.

Começou a lecionar “educação ambiental” aos alunos dos “currículos alternativos” e percebeu que a “envolvência da comunidade fazia sentido e toda a diferença nas aprendizagens destes alunos”.

“Com os aluns de EMRC desenvolvems projets na àra da sustentabilidade social tendo como aliados os alunos da educação especial e permitindo um trabálho equitativo e incluviso. Convidámos os pais e os avós a virem à escola para apresentarem o seu conhecimento acerca dos temas e trabalhamos, com os alunos em projetos para que possam ser protagonistas da sua própria aprendizagem. Quando o aluno realiza, quando faz, nunca mais esquece”, garante.

 

Laudato Si’ sempre presente

A dinâmica trazida pelo Papa Francisco na encíclica verde Laudato Sí’ serviu de ‘cola’ para uma ecologia integral.

“Em todas as dinâmicas está subjacente aquilo que o Papa Francisco nos traz através da Laudato Si’. Não se trata apenas de uma questão ecológica, mas do respeito pela criação e do modo com conseguimos educar em valores ecológicos que permitirão mudanças efetivas de comportamentos das novas gerações”, garante.

Na escola existe hoje uma “horta pedagógica” por onde passam e na qual trabalham “vários alunos de diversas procedências sempre em dinâmicas projetuais” e um espaço para os avós.

“O cantinho dos avós é um espaço especial. Foram eles que o criaram numa das vezes em que estiveram na escola e a ideia ‘pegou’. É um espaço especial porque representa o lugar onde a comunidade se reúne e onde acontecem diversos projetos”.

s projetos acontecem na àrea da sustentabilidade e os locais vão variando: "Desde a sala de aula passando pelo parque da cidade, ou no banco germoplasma vegetal", explicita.

A aprendizagem assente em projetos, e na descoberta do conhecimento, não é uma novidade na vida da professora Ana Mendes que em 2012 já havia ganho um prémio no Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações.

“Penso muitas vezes em tanta coisa bonita que acontece nas escolas de todo o mundo e no modo como, tantas vezes, das escolas só ouvimos as más noticias. É fundamental que apresentemos ao exterior o que se vai aqui fazendo porque dignifica, antes de tudo, a profissão docente e mostra que também os professores são capazes de gerar redes de motivação que beneficiam todos”:

Perante a possibilidade de ganhar o prémio de 30 mil euros Ana Mendes não se deslumbra.

“O mais importante desta nomeação é permitir que outros professores ganhem coragem e se exponham. Mostrem aquilo que de bom vai acontecendo nas comunidades educativas por todo o país”, termina.

As candidaturas ao galardão Global Teacher Prize surgem por auto-proposta ou por recomendações da comunidade educativa. Das 116 candidaturas validadas pelo júri, resultaram seis finalistas - são professores de Educação Especial, Educação Moral e Religiosa Católica, Ciências, Filosofia, Informática e 1.º ciclo. Destacaram-se pelos seus projetos e metodologias inovadoras.

Conheça todos os finalistas AQUI

30.10.2020

 



Newsletter Educris

Receba as nossas novidades