EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Audiência-geral: Papa alerta para o perigo de ser «cristão turista»

Na audiência-geral desta quarta-feira o o Papa Francisco recordou a Koinonia como centro da "vida da comunidade cristã". Para o Papa "o pôr em comum" e o "fazer-se presente junto dos mais pobres" não é "assistencialismo" mas está no "cerne da experiência cristã" que exige "o pôr em comum".

Leia, na íntegra, a Catequese do Papa Francisco continuou a meditação partindo do livro dos Atos dos Apóstolos

Catequese sobre os Atos dos Apóstolos: 6. «Entre ele tinham tudo em comum» (Atos 4,32).

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

A comunidade cristã nasce do derramamento superabundante do Espírito Santo e cresce graças ao fermento da partilha entre irmãos e irmãs em Cristo. Há um dinamismo de solidariedade que constrói a Igreja como a família de Deus, onde a experiência da koinonia é central. O que significa esta palavra estranha? É uma palavra grega que significa «pôr em comunhão», «pôr em comum», ser como uma comunidade, não isolada. Esta é a experiência das primeiras comunidades cristãs, isto é, meter em comum, «compartilhar», «comunicar, participar», não se isolar. Na Igreja primitiva, esta koinonia, esta comunidade refere-se acima de tudo à participação no Corpo e Sangue de Cristo. Por isso, quando comungamos declaramo-nos "em comunhão", entramos em comunhão com Jesus e desta comunhão com Jesus chegamos à comunhão com os nossos irmãos e irmãs. E esta comunhão com o Corpo e Sangue de Cristo que é feita na Santa Missa traduz-se em união fraterna e, portanto, também naquilo que é mais difícil para nós: reunir bens e arrecadar o dinheiro para a coleta em favor da Igreja mãe de Jerusalém (Cfr. Rm 12, 13; 2 Coríntios 8-9) e das outras Igrejas. Se queres saber se és um bom cristão, deves orar, tentar aproximar-te da comunhão, do sacramento da reconciliação. Mas o sinal de que o teu coração se converteu é quando a conversão chega ao bolso, o quanto isto afeta o interesse de alguém: é onde tu vês se és generoso com os outros, se ajudas os mais fracos, os mais pobres. Quando a conversão chega lá, tu tens a certeza de que é uma conversão real. Se permanecer apenas em palavras, não é uma boa conversão.

A vida eucarística, as orações, a pregação dos apóstolos e a experiência da comunhão (Cfr, Atos 2,42) fazem dos crentes uma multidão de pessoas que - diz o Livro dos Atos dos Apóstolos - têm «um só coração e uma só alma» e que não consideram sua a propriedade que possuem, mas em tudo em comum (Cfr Atos 4,32). É um modelo de vida tão forte que nos ajuda a sermos generosos e não mesquinhos. Por esta razão, «ninguém [...] entre eles era necessitado, porque aqueles que possuíam – diz o livro - campos ou casas vendiam-nos e depositavam o produto do que fora vendido e aos pés dos apóstolos; para ser então distribuído a cada um de acordo com a sua necessidade» (Atos 4,34-35). A Igreja sempre teve este gesto dos cristãos que se despojaram das coisas que tinham além das coisas que não eram necessárias para as entregar àqueles que precisavam delas. E não apenas dinheiro: até o tempo. Quantos cristãos - vós, por exemplo, aqui na Itália - quantos cristãos são voluntários! Mas isto é lindo! É comunhão, compartilhar o meu tempo com os outros, para ajudar os necessitados. E assim o serviço voluntário, as obras de caridade, as visitas aos doentes; É preciso sempre compartilhar com os outros, e não procurar apenas os próprios interesses.

A comunidade, ou koinonia, torna-se assim o novo modo de relacionamento entre os discípulos do Senhor. Os cristãos experimentam um novo modo de estar entre si, de se comportar. E é o caminho cristão, a ponto de os pagãos olharem para os cristãos e dissessem: «Vede como eles se amam!». O amor era o modo. Mas não amor de palavras, não amor falso: amor pelas obras, de ajudar uns aos outros, amor concreto, concretude do amor. O vínculo com Cristo estabelece um vínculo entre irmãos que flui juntos e se expressa também na comunhão de bens materiais. Sim, este modo de estar junto, este modo de amar a si mesmo alcança os bolsos, também se livra do impedimento do dinheiro para dar aos outros, indo contra o próprio interesse. Ser membros do corpo de Cristo faz os crentes corresponsáveis ??uns pelos outros. Ser crente em Jesus torna-nos corresponsáveis ??uns pelos outros. "Mas olha para isto, o problema que ele tem: eu não me importo, é coisa dele." Não, entre os cristãos não podemos dizer: "Pobre pessoa, tem um problema em casa, está a passar por uma dificuldade de família". Mas, devo rezar, levo comigo, não sou indiferente”. Isto é ser um cristão. É por isso que os fortes apoiam os fracos (Cfr Rm 15: 1) e ninguém experimenta a indigência que humilha e desfigura a dignidade humana, porque vivem esta comunidade: ter o coração em comum. Amam-se. Este é o sinal: amor concreto.

Tiago, Pedro e João, que são três apóstolos como que as "colunas" da Igreja de Jerusalém, estabelecem de uma maneira comum que Paulo e Barnabé evangelizem os pagãos enquanto eles evangelizam os judeus, e colocam apenas a Paulo e Barnabé uma condição: que não esquecem os pobres, lembrem-se dos pobres (Cfr. Gálatas 2, 9-10). Não apenas os pobres materiais, mas também os pobres espirituais, as pessoas que têm problemas e precisam da nossa proximidade. Um cristão parte sempre de sim mesmo, do seu coração para se aproximar dos outros como Jesus se aproxima de nós. Esta é a primeira comunidade cristã.

Um exemplo concreto de partilha e comunhão de bens chega-nos do testemunho de Barnabé: ele possui um campo e vende-o para entregar o produto aos Apóstolos (Cfr. Atos 4,36-37). Mas ao lado do seu exemplo positivo, outro infelizmente negativo aparece: Ananias e a sua esposa Safira, tendo vendido um pedaço de terra, decidem entregar apenas uma parte aos Apóstolos e guardar a outra para si mesmos (Cfr At. 5, 1-2). Esta farsa interrompe a cadeia de partilha livre, a partilha serena e desinteressada e as consequências são trágicas, são fatais (Atos 5, 5.10). O apóstolo Pedro desmascara a indecência de Ananias e da sua esposa e diz-lhes: «Ananias, por que Satanás encheu o teu coração? Mentiste ao Espirito Santo e retiveste uma parte do preço do terreno. […] não mentiste aos homens, mas a Deus» (Atos 5, 3-4). Poderíamos dizer que Ananias mentiu a Deus por causa de uma consciência isolada, de uma consciência hipócrita, por causa de uma pertença eclesial "negociada", parcial e oportunista. A hipocrisia é o pior inimigo desta comunidade cristã, deste amor cristão: que finge amar um ao outro, mas só procura o próprio interesse.

Falhar na sinceridade do compartilhar, na verdade, ou fracassar na sinceridade do amor, significa cultivar a hipocrisia, afastar-se da verdade, tornar-se egoísta, extinguir o fogo da comunhão e voltar-se para o frio da morte interior. Aqueles que se comportam assim passam pela Igreja como turistas. Há muitos turistas na Igreja que estão sempre a passar, mas nunca entram na Igreja: é o turismo espiritual que os faz acreditar que são cristãos, enquanto são apenas turistas das catacumbas. Não, não devemos ser turistas na Igreja, mas irmãos uns dos outros. Uma vida definida apenas em lucrar e aproveitar as situações à custa dos outros inevitavelmente causa a morte interior. E quantas pessoas dizem que estão perto da Igreja, amigos de padres, bispos, enquanto estão apenas procurando pelo seu próprio interesse. Estas são as hipocrisias que destroem a Igreja!

O Senhor – peço-o por todos nós – derrame sobre nós o seu espírito de ternura, que supera toda a hipocrisia e põe a circular a verdade que alimenta a solidariedade cristã, que, longe de ser uma atividade de assistência social, é a uma expressão inalienável da natureza da Igreja, a terna mãe de todos, especialmente para os mais pobres.

23.08.2019

Tradução Educris a partir do original em italiano



AJUDA de Navegação


© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |