Iraque: Papa visita país dilacerado pela guerra como «peregrino da paz e da esperança»

Viagem histórica de Francisco evoca «pai Abraão» recordando a origem comum entre cristãos, xiitas, sunitas e curdos


O Papa Francisco enviou hoje uma videomensagem ao povo iraquiano na véspera da sua primeira viagem apostólica àquele país do médio oriente onde recorda a região como “berço da civilização” e se apresenta como “peregrino penitente”.

“Desejo muito encontrar-vos, ver os vossos rostos e visitar vossa terra, antigo e extraordinário berço da civilização. Venho como peregrino, como peregrino penitente, para implorar perdão e reconciliação do Senhor depois de anos de guerra e terrorismo, para pedir a Deus consolo para os corações e cura para as feridas”.

A viagem papal, que se realiza de 5 a 8 de março tem como tema "Sois todos irmãos" (Mt 23,8) e acontece como resposta ao convite do estado iraquiano. Francisco lembra o patriarca Abraão como antepassado comum de todos os povos que habitam o território e desafia todos à “busca da fraternidade”.

“Venho até vós como peregrino de paz, para repetir: Sim, venho como peregrino da paz em busca de fraternidade, animado pelo desejo de rezar juntos e caminhar juntos, também com irmãos e irmãs de outras tradições religiosas, unidos pelo pai Abraão, que reúne numa só família muçulmanos, judeus e cristãos”.

Uma Igreja Mártir e testemunha

Aos cristãos do território, que no ano 2000 eram cerca e 1 milhão e 600 mil e que hoje não deve ultrapassar os 300 mil, o papa afirma sentir-se honrado em “conhecer uma igreja mártir” e agradece o seu testemunho.

“Obrigado pelo seu testemunho. Que os muitos, demasiados mártires que vós conhecestes nos ajudem a perseverar na humilde força do amor".

Francisco afirma trazer ao Iraque “uma caricia afetuosa de toda a Igreja” que “encoraja a seguir em frente” e não desiste perante “o mal e a sua propagação”.

“Gostaria de vos trazer a carícia afetuosa de toda a Igreja, que está próxima de vós e ao mortificado Oriente Médio e vos encoraja a seguir em frente. Não permitamos que prevaleçam os terríveis sofrimentos que vós sofrestes que tanto me afligem. Não desistamos diante da propagação do mal: as antigas fontes de sabedoria das vossas terras guiam-nos para outro lugar, para fazer como Abraão que, embora tenha deixado tudo, nunca perdeu a esperança (cf. Rm 4,18); e, confiando em Deus, deu vida a uma descendência tão numerosa quanto as estrelas do céu. Caros irmãos e irmãs, vamos olhar para as estrelas. Ali está a nossa promessa”, completou.

A viagem do Papa ao Iraque a 33ª do seu pontificado fica marcada pela visita de Francisco a lugares recentemente bombardeados e ao Curdistão.

Educris|04.03.2021






AJUDA de Navegação


© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |