0 / 0

Aveiro: Educar para as «diferentes visões da vida» e para o «bem comum»

D. António Moiteiro, bispo de Aveiro e Presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) abordou desafios do setor na 1ª jornada Local das Escolas católicas de 2018.

Na conferência «Como é que a escola católica anuncia Jesus Cristo» o prelado afirmou a necessidade de “numa sociedade plural o fenómeno religioso e a religião serem abordados nas escolas estatais e outras” sempre no “respeito à liberdade de todos os cidadãos”.

Perante mais de 150 participantes das jornadas entre os quais mais de meia centena de alunos provenientes de escolas católicas do centro do país, o bispo de Aveiro afirmou a especificidade de uma instituição católica em relação às demais:

“Nós não seguimos ideias. Seguimos uma Pessoa. Porque se vivêssemos somente em ideias cairíamos num subjetivismo. As escolas católicas têm uma identidade própria decorrente da sua própria matriz identitária”.

Deste modo “o desafio passa por ajudar os alunos a crescer integralmente educando para o bem comum e para as diferentes visões da vida” a partir do ideário cristão:

“Nesta tarefa deve estar na raiz e na prática do quotidiano o objetivo ultimo da escola Católica: A busca e o encontro com a Verdade. Para nós a plenitude definitiva está em Deus e Nele encontramos o objetivo último da vida humana”.

O presidente da CEECDF desafiou os responsáveis das escolas católicas do centro de Portugal a estar atentos e investir nos “três traços característicos de uma instituição de ensino católica”:

“Em primeiro lugar devemos promover o homem na sua plenitude porque estamos ao serviço do ser humano. Em segundo lugar os valores que transmitimos tem como horizonte Jesus Cristo. Levam-nos para a eternidade. Em terceiro lugar devemos educar para as visões diferentes da vida, para que possamos construir uma sociedade onde as diferentes visões da vida estejam presentes e contribuam para o bem comum”, sustentou.

No final da sua intervenção D. António Moiteiro deixou “pistas de ação” para efetivar o “anúncio de Jesus”:

“Se a escola católica tem como horizonte avida eterna então devemos proporcionar momentos de encontro com Cristo. Isto não é apenas catequese. É dimensão fundamental da nossa fé. Ter uma relação pessoal com Cristo torna a vida maior e podemos, por fim, obter a realização total. A fé é um encontro. Logo na escola católica deve proporcionar encontros com Cristo. Para alunos, para pais e para professores”, apontou.

“Numa sociedade plural, e sempre com um profundo respeito pelo ideário da vida de cada um, temos o dever de ajudar a mudar mentalidades, e isso faz-se através do amor. Esse primeiro sinal das comunidades cristãs, deve ser o sinal hoje da escola católica para levar a mudanças no mundo real”, concluiu.

 

Educris|03.02.2018



Newsletter Educris

Receba as nossas novidades