0 / 0

Comité europeu das Escolas Católicas reflete sobre «autonomia e pluralismo»

Tirana, na Albânia, recebe entre amanhã e sábado (dias 24 e 25 de março), a 89º Assembleia Geral do Comité Europeu das Escolas Católicas (CEEC). Na agenda dos trabalhos destaque para a reflexão sobre o "diálogo intercultural e inter-religioso" nas escolas católicas europeias e nas questões da "autonomia do ensino católico" no espaço europeu.

Elisa Urbano, coordenadora do departamento da Escola Católica no Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC) sintetiza o que a CEEC pretende realizar nesta assembleia geral:

"Em debate e análise vai estar uma proposta de uma Organização Não governamental, a OIDEL que sendo especializada no direito à educação e liberdade de ensino e tendo o estatuto de consultora junto do Conselho Económico e Social europeu e da Unesco, subordinada ao tema "Promover uma nova educação – mudando a perspectiva do Estado para o ponto de vista dos cidadãos".

A responsável portuguesa das Escolas Católicas no SNEC antecipou ao EDUCRIS os pontos chave da proposta em análise: 

"O texto que vamos analisar defende a necessidade do Estado reconhecer todos os parceiros interessados (pais, professores, alunos, sociedade civil) na elaboração do seu projeto de educação de modo a garantir uma maior coesão social".

Elisa Urbano sustenta que "numa sociedade secularizada e em profunda crise, os alunos tem direito a uma educação que os faça refletir sobre o religioso, sobre o sentido da vida":

"Uma comunidade pluralista tem de garantir o direito de cada um à educação ao longo da vida. Numa sociedade democrática é necessária uma pluralidade de projetos educativos que respondam às diferenças. Estes projetos serão os do Estado mas também os da sociedade civil", sustenta.

 

O que se entende por ideia europeia

Ainda no rescaldo do atentado de ontem em Londres e do aparecimento, em vários países de movimentos extremistas, e perante um crescente coro de vozes que se levantam contra o rumo do projeto europeu a 89º Assembleia geral da CEEC vai refletir sobre "a Ideia Europeia" tomando como base de reflexão um texto de Louis-Marie Piron com alguns acrescentos da autoria de Christine Mann.

Os responsáveis das escolas católicas vão tentar responder a questões importantes sobre que "papel para a educação no modelo europeu", ou o "lugar da escola católica num contexto em mudança".

Para além de Elisa Urbano, do SNEC vai estar presente, de Portugal o presidente da Associação Portuguesa das Escolas Católicas (APEC) padre Querubim Silva.

 

 



Newsletter Educris

Receba as nossas novidades