0 / 0

Beja: «Passar da categoria do ensino à do encontro»

Ação de formação deixou pistas de ação pedagógica a mais de meia centena de docentes do Algarve, Beja e Évora.

Vieram de todo o sul do país para o baixo Alentejo para juntos refletirem sobre as propostas educativas para o 1º ciclo e para o Ensino Secundário.

No início da manhã Luís Miguel Rodrigues, da Universidade Católica Portuguesa (UCP) apresentou o tem «Desenvolvimento sociomoral e religioso na infância».

O coordenador do seminário «Do Clique ao Toque» reforçou a necessidade de, no paradigma educativo atual, se passar “da categoria do ensino para a categoria do encontro”:

“A proposta da mensagem cristã, pode ser um bom software, para tirar o melhor de cada pessoa, que é o hardware. Temos que apresentar o cristianismo como um estilo; este estilo representa a fé cristã como um modo de habitar o mundo”, sustentou.

Analisando as particularidades do ensino no primeiro ciclo do ensino básico o investigador da UCP propôs aos docentes pedagogias ativas onde “a qualidade educativa deve imperar” e onde “boa história” ajuda a apresentar a “dimensão ética-moral e valorativa do Humano”.

Na segunda conferência do dia o sociólogo Eduardo Duque, da UCP, analisou a questão do ensino secundário com o tema «O “jovem” perante o facto religioso».

O especialista recordou aos docentes que “vivemos tempos ansiosos” e que urge uma reflexão aprofundada:

“É necessário fazer uma reflexão presentista, ou seja, conhecer o presente centrado no sujeito e não na tecnologia. Numa sociedade de ‘politeísmo de valores’ onde ‘tudo está bem’ é necessário apresentar o fenómeno religioso com valores consistentes e, em espaço educativo, uma religião que proponha, que faça nascer, que reconcilie… onde se ganhe tempo sem corre”.

Para o docente da UCP a mais-valia da EMRC reside “na afirmação da sua identidade e missão, num verdadeiro serviço ao aluno, à sua família e às comunidades em que se insere”.

Da parte da tarde a meia centena de docentes participou numa sessão de boas práticas sobre os ciclos em análise. Luísa Rato, apresentou o trabalho desenvolvido no Agrupamento de Escolas de Estremoz e João Carapito deu a conhecer a presença da EMRC no Agrupamento de Escolas nº4 de Évora.

Da diocese de Beja o professor Rui Ventura mostrou a presença da EMRC no Colégio de Nossa Senhora da Graça, em Milfontes. Do Algarve a docente Patrícia Mendonça apresentou uma experiência acerca da lecionação no 1º ciclo.

A próxima etapa das Formações (inter) diocesanas de docentes de EMRC vai realizar-se a 17 de fevereiro em Alfragide, Patriarcado de Lisboa.

Educris|04.02.2018



Newsletter Educris

Receba as nossas novidades