0 / 0

JNC18: Conclusões apresentam «caminho de Emaús» como paradigma de mudança

Jornadas Nacionais de Catequistas (JNC) refletiram sobre o «Ser Catequista hoje – as dimensões da formação»

Mais de seis centenas de catequistas, de dezanove dioceses do país, participaram na iniciativa promovida pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã.

Nas conclusões do encontro os agentes catequéticos destacaram o modo “como o novo plano de formação está de acordo com a urgência de uma conversão missionária da catequese”.

Para os catequistas é vital que “na tarefa da formação” seja considerado “o catequista como discípulo e guia espiritual” de modo a que este se torne “significativo e significante” no acompanhamento que proporciona com vista a “um encontro pessoal, permanente, progressivo e transformador de todo o seu ser e agir”, refere o documento final das JNC.

Para isso os catequistas destacam as opções formativas do “querigma, da mistagogia, da Bíblia e da comunhão eclesial” como sustentáculo da ação catequética e da formação dos agentes ao jeito “da formação cristã de adultos”, aponta o documento.

A Lectio Divina, apresentada como “a Palavra de Deus lida, refletida e rezada na catequese” ganha novo destaque devendo ser introduzida no ato catequético como «modalidade concreta para escutarmos aquilo que o Senhor nos quer dizer na sua Palavra e nos deixarmos transformar pelo Espírito» (EG 152).

O discipulado de Emaús como modelo

Os catequistas consideraram que “a narrativa de Emaús (Lc 24, 13-35) constitui-se como  o pano de fundo que preside ao momento atual da reflexão catequética em Portugal”:

“A atitude de Jesus de se pôr a caminho constitui o ícone da nossa ação eclesial. Sentimo-nos acompanhados, envolvidos e responsabilizados. O presente plano de formação de catequistas é expressão de uma Igreja que se quer a si mesma em saída, concretizando o «sonho missionário de chegar a todos» (EG 31). O modo sinodal de elaboração do plano de formação e agora continuado na sua promoção e aplicação é um dom que somos chamados a agradecer e a acompanhar com a nossa oração”, lê-se no documento final.

“O desafio do discipulado missionário” faz com que estes agentes devam estar “conscientes  do momento histórico que exige dizer Deus a grande parte dos nossos catequistas, de o tornar compreensível, amável e desejável” num tempo em que se acentua “a dimensão individual do crer”.

Leia, na íntegra, o documento de «conclusões» das JNC 18 em anexo.

Educris|31.10.2018



Recursos:
JNC18: Conclusões das Jornadas Nacionais de Catequistas:Download Documento
JNC18: «Conclusões»:


Newsletter Educris

Receba as nossas novidades