EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

JNC2020: «Os Avós são memória viva da Transcendência», Helena Presas

Teóloga sustentou responsabilidade e oportunidade dos avós na transmissão da fé aos mais novos

Helena Presas, do centro paroquial do Campo Grande, em Lisboa, afirmou aos catequistas a importância da memória dos mais velhos na transmissão da fé dos netos.

“Os avós trazem consigo a perceção da memória no fio condutor da vida. Os mais velhos devem assumir para si mesmos o papel da transmissão, atualizando, trazendo ao presente a vivência do passado, com as palavras d passado a serem atualizadas a partir do Espirito que nos transforma e nos ajuda a discernir”.

Numa conferência subordinada ao tema «A memória na transmissão da fé:  papel dos avós», Helena Presas sustentou que “todos os tempos são de grandes desafios e os atuais, requerem o estar atentos aos sinais dos tempos”.

Perante o aparecimento “da idade” a teóloga desafiou a sociedade a olhar para os avós com uma “reserva da memória” capazes de ajudar os mais novos a “aceder à Transcendência”.

“Os avós são memória viva da Transcendência e tem como missão, ajudar a construir, aos mais novos, os alicerces e a confiança na vida”.

Numa sociedade que considerou “utilitarista” por “descartar os mais velhos privando-os da sua própria autoestima”, Helena Presas considerou que os mais velhos são uma “autêntica reserva sapiencial da família, sociedade e da igreja”.

A também catequista do projeto «Despertar da Fé» pediu a criação de “grupos de conversa que permitam estender a catequese familiar aos avós e grupos de crescimento da fé para avós para que possam refletir a sua fé e a prática da mesma”.

Um dos desafios que hoje se colocam aos avós, numa “altura de muito saber e experiência acumulada” passa por “saber colocar-me no lugar do outro, o neto ou a neta, e a ajudar a criar zonas de interioridade onde o Espirito Santo possa atuar nos mais novos”, explicou.

“Isto faz-se com a narrativa de histórias, com a coerência de uma vida capaz de dizer Deus no gesto mais simples”, apontou.

Aos catequistas a teóloga propôs, como “papel dos avós”, diálogo com os netos nas áreas “do bem comum, da capacidade de refletir sobre si mesmo, e a natureza como descoberta do Divino”.

“Hoje gente não sabe refletir de si para consigo mesmo não metendo lá Deus. Vivem na balburdia e na presa das luzes múltiplas e os avós podem ser esse barco seguro onde se pode conversar”, apontou.

“A vantagem dos avos é que temos que lá, na realidade dos netos, para estar e provocar a experiência. Essa capacidade de transmitir um tesouro”, explicitou.

Educris|26.10.2020






AJUDA de Navegação


© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |