EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Audiência-geral: Papa inicia novo ciclo de catequeses sobre o «Pai-Nosso»

Nova temática foi hoje iniciada pelo Papa Francisco que afirmou ser necessário "pedir ao Senhor que nos ensine a rezar" e aprender dele a "afastar-se" do mundo para permanecer "sempre peregrino" no caminho da oração.

Leia, na íntegra, a catequese do Papa Francisco.

 

Catequese sobre o "Pai Nosso": 1. Ensina-nos a rezar

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje iniciamos um ciclo de catequese sobre o "Pai Nosso".

Os Evangelhos deram-nos retratos muito vívidos de Jesus como um homem de oração: Jesus orou. Apesar da urgência da sua missão e da urgência de tantas pessoas que o reivindicam, Jesus sente a necessidade de se isolar na solidão e orar. O Evangelho de Marcos fala-nos desse detalhe no final da primeira página do ministério público de Jesus (cf. 1: 35). A jornada inaugural de Jesus em Cafarnaum terminou triunfalmente. Quando o sol se pôs, multidões de pessoas doentes chegavam à porta onde Jesus morava: o Messias prega e cura. As antigas profecias e as expetativas de tantas pessoas que sofrem são realizadas: Jesus é o Deus próximo, o Deus que nos liberta. Mas esta multidão ainda é pequena comparada a muitas outras multidões que se reunirão em torno do profeta de Nazaré; às vezes é sobre assembleias oceânicas, e Jesus está no centro de tudo, o esperado pelo povo, o resultado da esperança de Israel.

No entanto, ele esquiva-se; não permanece refém das expetativas daqueles que o elegeram como líder. Isso é um perigo para os líderes: apegar-se demais às pessoas, não se distanciar. Jesus percebe isso e não acaba refém das pessoas. Desde a primeira noite de Cafarnaum, ele prova ser um Messias original. Na última parte da noite, quando a aurora é anunciada, os discípulos ainda o procuram, mas não conseguem encontrá-lo. Onde? Até que Pedro finalmente o encontra num lugar isolado, completamente absorto em oração. E diz-lhe: «Todos te procuram!» (Mc 1:37). A exclamação parece ser a cláusula afixada a um sucesso plebiscito, a prova do sucesso de uma missão.

Mas Jesus diz aos seus que deve partir para outro lugar; que não são as pessoas que O buscam, mas Ele está em primeiro lugar a procurar outros. Portanto, ele não deve criar raízes, mas permanecer constantemente peregrino nas estradas da Galileia (vv. 38-39). E também um peregrino até ao Pai, isto é: orando. No caminho da oração. Jesus ora.

E tudo acontece numa noite de oração.

Nas páginas da Escritura, parece ser antes de toda a pregação de Jesus, a sua intimidade com o Pai, a governar tudo. Será, por exemplo, acima de tudo na noite do Getsémani. A última parte da jornada de Jesus (em absoluto, a mais difícil daquelas que até então ele fez) parece encontrar o seu significado na escuta contínua que Jesus dá ao Pai. Uma oração que seguramente não é fácil, na verdade, uma verdadeira "agonia", no sentido da agonia dos atletas, mas uma oração capaz de sustentar o caminho da cruz.

Aqui está o ponto essencial: Ali, naquele momento, Jesus orou.

Jesus orou intensamente nos eventos públicos, compartilhando a liturgia do seu povo, mas também tentando lugares recolhidos, separados do redemoinho do mundo, lugares que lhe permitiam descer ao segredo da sua alma: é o profeta que conhece as pedras do deserto e sai ao mais alto dos montes. As últimas palavras de Jesus, antes de morrer na cruz, são as palavras dos Salmos, está em oração, a oração dos judeus: ele orou com a oração que a sua mãe lhe havia ensinado.

Jesus orava como rezam todos os homens do mundo. No entanto, na sua maneira de rezar, há também escondido um mistério, algo que certamente não escapou aos olhos dos seus discípulos, porque vemos nos Evangelhos uma oração tão simples e imediata: «Senhor, ensina-nos a orar» (Lucas 11,1 ).  Eles viam Jesus a orar e queriam aprender a orar: «Senhor, ensina-nos a orar». E Jesus não recusa, ele não é ciumento da sua intimidade com o Pai, mas veio justamente para nos introduzir neste relacionamento com o Pai. E assim torna-se um professor de oração para os seus discípulos, como ele certamente quer ser para todos nós. Devemos também dizer: “Senhor, ensina-me a orar. Ensina-me. "

Mesmo se rezarmos já há muitos anos, devemos sempre aprender! A oração do homem, esse anseio que nasce tão naturalmente da sua alma, é talvez um dos mais densos mistérios do universo. E nem sequer sabemos se as orações que dirigimos a Deus são realmente aquelas que Ele quer ouvir. A Bíblia também nos dá testemunho de orações inoportunas, que são rejeitadas por Deus: basta recordar a parábola do fariseu e do publicano. Apenas o ultimo, o publicano, volta a casa justificado, ao passo que o fariseu permaneceu no orgulho e gostava que as pessoas o vissem rezar e fingia rezar: o coração estava frio. E Jesus diz: isto não te justifica «porque todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado» (Lc 18,14). O primeiro passo para a oração é ser humilde, ir ter com o Pai e dizer: “Olha-me, sou pecador, sou fraco, sou prisioneiro”, cada um sabe o que dizer. Mas começar sempre com humildade, e o Senhor escuta-nos. A oração humilde é ouvida pelo Senhor.

Portanto, começando este ciclo de catequeses sobre a oração de Jesus, a coisa mais linda e justa que todos temos que fazer é repetir a invocação dos discípulos: "Mestre, ensina-nos a rezar!". Neste tempo do Advento, será lindo repeti-lo: "Senhor, ensina-me a rezar". Todos podemos ir um pouco mais longe e rezar melhor; mas peçamo-lo ao Senhor: "Senhor, ensina-me a rezar". Façamos isto neste tempo do Advento, e Ele certamente não permitirá que a  nossa invocação caia no vazio.

Tradução Educris a partir do original em italiano






AJUDA de Navegação


© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |