EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Guarda: Alunos de Seia visitam Santiago de Compostela

Nos dias 19 e 20 de fevereiro de 2015, 65 alunos de EMRC do 11º ano deslocaram-se com espírito de peregrinação a Santiago de Compostela para se encontrarem consigo, com os demais e com o verdadeiro espírito cristão de Compostela para contactar com um dos principais centros religiosos e artísticos da Europa.

A primeira paragem foi para fazer o cruzeiro das seis pontes que fazem o elo de ligação entre o Porto e Vila Nova de Gaia. Saímos do cais do Porto e começamos a observar a Ribeira, a Ponte D. Luís, o Mosteiro da Serra do Pilar, a Ponte do Infante, a Ponte Dª Maria Pia, a Ponte de S: João e a Ponte do Freixo. Chegando à ponte de S. João voltamos novamente para trás podendo admirar assim a deslumbrante cidade do Porto, Património Mundial. Depois de termos passado a Ponte D. Luís, navegamos mais um pouco em direcção ao mar para ver a ponte da Arrábida. Daqui não podemos deixar de nos maravilhar com a linda terra dos pescadores, a Afurada. Podemos desde logo lançar um olhar sereno sobre a barra e deparamo-nos com uma incalculável beleza do rio e mar que se misturam e entrelaçam como algo que faz parte de uma só vida. Todos sentiam que estavam a percorrer um caminho inesquecível e a admirarem uma paisagem deslumbrante, calma e incomparável que deixa saudades e vontade de voltar um dia.

Retemperados com o almoço partilhado, partimos para Viana do Castelo, rumo ao santuário de Santa Luzia, que levou quarenta anos a construir, onde o convívio, o contacto com este espaço sagrado, a troca de farnel e a foto da praxe foram o prato forte.

Do Zimbório desfrutámos o amplo horizonte e repousando o olhar pelo oceano, relembramos, de Fernando Pessoa “ O Mar português” e deixamos ecoar a mensagem de um jornalista do “National Geographic Magazine”: “Santa Luzia tem um dos mais belos panoramas do mundo”.

Em Santiago, o ponto central da nossa visita foi a Catedral, a mais importante obra do romântico espanhol, com planta de cruz latina e três naves. A sua construção foi iniciada no século XI, sendo concluída em 1211. A fachada é do século XVIII e é do estilo barroco. Junto ao pórtico da glória ecoou em nós a frase de um pensador espanhol quando visitou este espaço: “ Aqui está a Bíblia esculpida na pedra e a pedra fala por si.” Este ano pela primeira vez visitamos o Museu de História Natural da universidade de Santiago, as instalações do Museu de História Natural no Parque Vista Alegre tornado acessível ao público em geral, com peças únicas de grande valor para o estudo e divulgação da biodiversidade e do meio ambiente. Os principais espaços das novas instalações são agrupados em torno dos conceitos de Biodiversidade e Terrestres da Biodiversidade, no piso térreo, e as seções sobre Geodiversidade e Terra e Biodiversidade Marinha no primeiro andar. Assim, a partir de um ambiente multimídia, a exposição permanente é um tour exclusivo dos ecossistemas de águas interiores e florestas galegas ou geodiversidade com amostras de minerais, pedras preciosas e semipreciosas, rochas, fósseis e meteoritos. Ele também tem seu próprio espaço de biodiversidade marinha, algas, invertebrados, peixes ou os ecossistemas da costa da Galiza, e mais distantes como a selva sul-americana ou o cerrado Africano.

Também é mostrado pela primeira vez em Espanha, uma sala dedicada para o chão, com uma reprodução da escala de um pedaço de terra cortada em seção de modo que você pode ver diferentes elementos que influenciam a sua conformação ou a sua relação com a fauna e flora.

Para lá da Catedral e do contacto na fé com o apóstolo Tiago a quem entregámos os nossos pedidos e desejos profundos, o grupo pôde ainda contactar com as pessoas, ruas, praças e tradições desta agradável cidade bem como inúmeros outros monumentos aí existentes que a tornaram património mundial.

Por tudo isto podemos concluir que esta visita de estudo nos enriqueceu e nos deixou ainda mais sensíveis aos valores humanos, tecnológicos, artísticos e cristãos.

António Ferreira




© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |