EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Fórum EMRC 2013: A dimensão religiosa é fundamental na educação integral

“ A Educação religiosa é constituinte da educação integral. A escola deve trabalhar todas as dimensões do ser humano sob pena de ser formadora mas não educativa.”

As palavras são de João Duque, presidente do Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa (UCP) na conferência “ A educação integral da Pessoa” que proferiu nesta noite em Fátima na abertura do Fórum EMRC 2013.

Para o docente “não trabalhar as identidades religiosas é uma falsidade. É como deixar uma parte dos nossos alunos fora dos muros. A dimensão religiosa tem de ser trabalhada na escola. Qualquer sistema educativo deve ter, no seu seio, a educação do religioso”, concluiu.

No início da sua conferência o professor de Teologia começou por recordar os conceitos de educação e liberdade: “ a liberdade é um dos muitos tesouros da tradição judaico-cristã e é urgente que a educação dos valores passe pelo seu testemunho e fundamento sob pena de não de ser apenas uma ideia que não cria resiliência no outro, sobretudo num contexto em que a maioria dos jovens acreditam no destino e não na liberdade como é entendida pela cristianismo”.

Daí que a proposta cristã na escola, tal como outra qualquer área do saber, não possa ser neutra: “era como colocar a leccionar musica um professor sem qualquer formação na área e, preferencialmente, sem gosto pela música apenas para garantir que não haveria a tentação de influenciar os alunos nos seus gostos pessoais e nos seus autores preferidos através da sua sensibilidade musical”.

Na parte final da sua conferência o presidente do Centro Regional de Braga da UCP deixou algumas questões para o futuro do “ensino do religioso” em contexto escolar e o lugar “da disciplina de EMRC no sistema educativo”.

“O papel da EMRC deve ser a de explicar o fenómeno religioso aos não crentes e esclarecer os crentes. A religião salva mas também pode ser perigosa. Por isso é urgente que se ensine a mexer com ela”. Fazendo a pergunta retórica sobre quem deveria então leccionar a disciplina João duque foi claro: “Mesmo que se inclinasse a disciplina de EMR para um tratamento do religioso no geral teriamos que pensar numa instituição válida. Em portugal só vemos a Igreja Católica para o fazer. Podemos argumentar que a Igreja teria uma tentação por ser interessada de dentro e não apenas de fora do fenómeno. Mas isso só aconteceria se nos inclinássemos para a tentação de catequizar. Aí a teologia tem um papel importante de crítica interna sempre desejada pela própria igreja”. “Não encontramos em mais nenhuma religião uma reflexão critica tão aprofundada como a teologia faz com a religião cristã, de modo a evitar fundamentalismos perigosos. O esclarecimento da fé é fundamental.”

Para o professor da UCP “ estamos, em meu entender, em altura de discutir com o estado e com a sociedade o papel da formação integral do ser humano e da sua dimensão religiosa” e modo a não “estarmos dependentes das vontades politicas que são favoráveis e desfavoráveis em momentos diferentes da história”. Para isso advogou a necessidade “de organizarmos respostas e argumentação filosófica que sustentem a EMRC num sistema educativo universal” não como um “benefício da Igreja Católica previsto pela concordata” mas como “ um serviço da Igreja ao estado e à sociedade que deve zelar pela formação do religioso dos seus cidadãos”.

O contexto de há 2000 anos é diferente do atual?

No início dos trabalhos D. Manuel Pelino, bispo de Santarém e membro da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) saudou os presentes e contextualizou o tema da própria formação “Descobrir a solidez da Fé”. “São Lucas procura mostrar que a fé cristã tem solidez. É sinal que ouviu muita gente, e tinha uma boa fonte para escrever o texto que todos conhecemos. O evangelista escrevia para pessoas convertidas do paganismo e que sentiam que a fé era uma opção estranha. Será o contexto de Lucas tão diferente do nosso?”.

O Fórum EMRC 2013 realiza-se em Fátima de 25 a 27 de janeiro subordinado ao tema “Descobrir a solidez da Fé: testemunho e missão do professor de EMRC”.

Para amanhã, dia 26 de janeiro, destaque no programa do dia para as conferências de Elisa Urbano, subordinada ao tema “A especificidade da Evangelização em meio escolar” e de Fernando Moita que abordará “A missão do professor de EMRC no contexto da escola actual”.

O Fórum EMRC 2013 tem acompanhamento ao minuto através da rede social facebook.

Amanhã, pela manhã estará disponível na Educris TV disponível no portal www.educris.com




© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |