EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Lisboa: Torres Vedras reuniu mais de 900 catequistas

Na manhã do dia 17 de abril mais de 900 catequistas, representantes de todas as vigararias do patriarcado de Lisboa, reuniram-se em Torres Vedras para a Assembleia Diocesana de Catequistas subordinada ao tema «Catequistas com Espírito: acolher o olhar de Jesus e ser dom para todos, educar para a Misericórdia».

No início do encontro o diretor do Setor da Catequese, padre Tiago Neto, afirmou desejar que este seja “um momento de encontro e mobilização para o sínodo” numa altura que é a de “construir para esta mesma caminhada”. Para o padre Tiago Neto esta iniciativa constituiu-se como um “espaço de ‘cura’ no sentido em que os agentes de pastorais se devem sentir em comunhão e assim perceber que se encontram no mesmo corpo que é a Igreja”.

Nas suas palavras iniciais de boas vindas o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente desejou que “aproveitemos com todos aquilo que ouvirmos, dizermos e rezarmos”. O prelado fez votos para que “saiamos daqui mais motivados tendo consciência de que somo s primeira linha da Igreja de Cristo. O nosso animo e motivação vão servir que que Cristo continue a ser a inspiração e o caminho para as novas gerações no século XXI”.

Depois da oração inicial a Assembleia recebeu os relatórios das análises do capítulo V da Evangelium Gaudium, apresentados por representantes de todas as vigararias do Patriarcado de Lisboa.

No final da apresentação D. Manuel Clemente agradeceu o “empenho e o trabalho de todos os catequistas da diocese” e alegrou-se “por tão rico contributo para o Sínodo diocesano”.

Catequistas refletem sobre a renovação da Catequese

Depois o almoço Maria Luísa Paiva Boleo, do Setor da Catequese de Lisboa, apresentou o documento a «catequese: a alegria do encontro com Jesus Cristo» que vai ser trabalhado pelas diferentes vigararias até ao próximo mês de junho.

O documento, formulado pela Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) constitui-se como a resposta da catequese “à preocupação manifestada pelo Papa Francisco quando da visita ad limina dos bispos portugueses em setembro de 2015”. Assim os educadores da fé são convidados a “refletir sobre as dificuldades e frutos que observam e, a partir da sua experiência de base, pronunciar-se sobre as novas acentuações referidas nesta proposta em ordem a renovar a catequese”.

«A Alegria do Encontro com Jesus Cristo» compreende sete capítulos e tem incluídas questões no fim de cada capítulo. Maria Luísa Paiva Boleo recordou aos catequistas que o objetivo desta consulta é “ser lido e refletido por todos” e deixou algumas indicações práticas para o trabalho a desenvolver nos próximos meses.

A Catequese: Ato Fundamental da Igreja

Na eucaristia, e durante a sua homilia, D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa afirmou que a catequese é o “ato fundamental da Igreja”. Na sua meditação, e partindo da 1ª leitura, retirada o livro dos Atos dos Apóstolos e que narra a viagem de Paulo e Barnabé, o prelado lembrou que “a sua catequese é a nossa: a esperança do povo Israelita estava realizada na vida, morte e ressurreição de Jesus”. Para os primeiros cristãos “Jesus Cristo não era outra religião mas o cumprimento da religião que tinham recebido dos seus pais, por isso o Messias”, precisou.

D. Manuel Clemente afirmou que o contributo “desta manhã vem nesta linha porque catequizar com espirito é estar com Deus, na aventura que vai por diante”. Foi isso que vimos “nas contribuições que trouxestes para o Sínodo diocesano. É a atualização do mesmo trabalho apostólico, da alegria pascal. Não omitindo as dificuldades mas indo adiante porque tem a certeza de que ‘isto acabará bem’”.

O Cardeal-Patriarca recordou o exemplo do Bom Pastor, presente no Evangelho deste Domingo, e afirmou-a como “a imagem mais antiga de Jesus que temos desde o início do cristianismo”. Para D. Manuel Clemente este pastor “põe-nos às costas quando estamos mais cansados, alimenta-nos e cuida de todos”. “Esta imagem deve passar e muito pelo nosso ato catequético. Os mais jovens devem olhar e captar Jesus como o Bom Pastor que todos cuida”.

No final da sua reflexão D. Manuel Clemente lembrou que “Jesus disse a todos os discípulos que ‘quem vos ouve a mim ouve’. Assim este ato de evangelizar é de todos os batizados”

“Agradeçamos aos nossos catequistas que nos guiaram. Aos nossos pais, como primeiros catequistas. A Deus pela realidade destas palavras. Que na nossa voz, nas mossas mãos, na catequese da Igreja, a realização desta parábola do Bom Pastor”.

No final da eucaristia o Padre Tiago Neto, diretor do Setor da Catequese de lisboa, agradeceu a presença “de tantos catequistas de toda a diocese” e pediu força “no caminho que temos pela frente nesta reflexão sobre a catequese e a sua renovação que nos pede a Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé”.

 

Educris com www.catequese.net 




© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |