EESTATÍSTICAS DIOCESES E ESCOLAS

UTILIZADOR:  
PASSWORD:    

Nota Pastoral sobre Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC)

A hora da EMRC …na Missão Jubilar

 

Recordo aqui como ponto de partida para uma reflexão sobre a importância da Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) uma bela metáfora, muito querida ao Papa João Paulo II e por ele referida frequentemente: “quando nos encontramos diante da montanha e sentimos desejo de a subir, uns decidem-se a fazê-lo, vencendo dificuldades e superando obstáculos, metendo pés à escalada; outros desistem, vencidos diante do desafio da aventura, à espera de ver um dia diminuir a altura da montanha para que seja mais fácil a subida”.

A educação é tempo onde aprendemos a subir montanhas e lugar de onde partimos a escalar alturas. Educar não significa diminuir a altura nem evitar as dificuldades de escalar o alto das montanhas para de lá desvendar horizontes maiores. Educar implica ensinar e aprender a subir pelos próprios pés. As crianças e os jovens cristãos conhecem isso mesmo, por experiência própria, diariamente aprendida na Família, na Escola e na Igreja, e os que querem subir os degraus da vida e escalar as montanhas do futuro sabem quanto isso custa e quanto isso vale. O sabor das vitórias alcançadas vem sempre depois das dificuldades vencidas e dos obstáculos ultrapassados. A vida não cresce sem esforço. Os valores não se cultivam sem trabalho. O mérito não se conquista sem persistência.

Vem isto a propósito de muitas realidades da vida quotidiana das Famílias e das Escolas do nosso País e de diversas iniciativas pastorais de que a Igreja tem dado testemunho. Por aqui passam muitos dos caminhos da missão da Igreja e do futuro de Portugal.

É nesse contexto e com este mesmo sentido impresso na alma da Missão Jubilar, a viver pela nossa Diocese de Aveiro, que se inscreve esta minha palavra de apelo a pais e educadores para que dêem aos seus filhos, alunos das nossas Escolas, esta oportunidade de frequência das aulas de EMRC, uma disciplina curricular de oferta obrigatória por parte das Escolas e de escolha facultativa por parte de pais e alunos.

Na Escola e concretamente através desta disciplina, as crianças, adolescentes e jovens encontram, desde o início do Primeiro Ciclo até ao termo do Ensino Secundário, este necessário espaço e horizonte onde a vida se aprende e reflecte, onde o futuro se sonha e se antevê e onde estão presentes e actuantes, em permanência, os valores em que o futuro se alicerça, a Humanidade se sustenta e Deus se encontra.

O testemunho vivo, feliz e contagiante dos muitos milhares de alunos, que frequentam com visível sucesso e reconhecidos bons resultados as aulas de Educação Moral e Religiosa Católica em todas as Escolas do nosso País, é o melhor exemplo e o mais eficaz incentivo à matrícula de quantos agora iniciam o seu percurso educativo e à compreensão dos seus pais e encarregados de educação diante das várias opções a fazer frente ao futuro.

Os resultados alcançados em cada Escola pelos seus alunos, o empenhamento criativo e colaborante nos vários projectos da Escola por parte de alunos e professores, o gosto sentido e ano a ano renovado pelos pais e educadores destes alunos, a expressão bela e pública dos Inter-escolas de EMRC, que por todo o País reuniram dezenas de milhares de alunos, professores e pais e inscreveram no coração da vida de todos nós uma mensagem de alegria e de esperança, dizem-nos que por aqui passa, também, o futuro da educação em Portugal.

Sei que, em cada um dos alunos e professores de EMRC se acolhe, hoje, este desafio a um serviço competente, dedicado e criativo à educação plena e integral e à construção de um mundo mais feliz, justo e fraterno e se vive esta hora como hora de missão. E porque esta é a «hora da Missão Jubilar», na nossa Diocese de Aveiro, esta é também a «hora da EMRC», vivida nas nossas Escolas, pelos alunos, educadores e pais, como desafio e missão.

Aveiro, 24 de Junho de 2012

António Francisco dos Santos

Bispo de Aveiro




© SNEC, Todos os Direitos reservados | Contactos |